segunda-feira, 22 de setembro de 2014

7 de setembro


 VOCÊ VIVE O QUE CULTIVA!CULTIVE A PAZ!

A Escola Estadual Presidente Tancredo Neves apresenta o tema “Você vive o que cultiva! Cultive a paz!”

 A paz, muito mais do que uma palavra bonita ou de um estado de espírito, é uma construção coletiva e consciente da vida social. Alcançá-la, torna-se uma evolução do paradigma civilizatório de um povo. A paz, por comparação, é como a semeadura de uma plantação. Exige que se prepare a terra, que sejam lançadas as sementes, extirpadas as ervas daninhas e que se faça a colheita.... Da mesma forma, o que é contrário à paz também pode ser semeado, cultivado e colhido. Diz o ditado: “Quem semeia vento, colhe tempestade”, numa clara comparação de que quem pratica maldades sofrerá as consequências de seus feitos e atitudes.Assim, acreditamos que as pessoas vivem daquilo que cultivam. Se com ódio, desarmonia e desigualdade, seu ambiente social também será permeado pelas condicionantes nefastas destes maus sentimentos e procedimentos. Se com amor, concórdia, compaixão e solidariedade, terão por prêmio um mundo mais justo, fraterno, humano e carregado do sentido da paz.Você vive o que cultiva! Cultive a Paz!






segunda-feira, 8 de setembro de 2014

Texto para novo livro do professor Fabiano - EDUCAÇÃO: DESAFIOS E OPORTUNIDADES



 Fabiano Alves Pereira*

A realidade educacional nos tempos atuais é bem diferente de algumas décadas atrás. Relacionado aos recursos didáticos utilizados, percebe-se que temos hoje inovações tecnológicas cada vez mais avançadas que podem ser bem utilizadas como ferramentas pedagógicas úteis no âmbito escolar.

As metodologias estão também sendo inovadas a cada dia. O sistema de avaliar mudou, antes prova oral e escrita, hoje, “Avaliação diagnóstica e contínua, participativa, escrita”.

Nota-se que embora alguns professores pareçam se dar muito bem na profissão, muitos concentram-se nos seus muitos desafios — classes numerosas, lidar com muita papelada, burocracia rígida, alunos apáticos e salário inadequados tornam o trabalho nada fácil. Lecionar é muitas vezes um ato de abnegação. Outros problemas como drogas, crime, promiscuidade e, às vezes, indiferença parental afeta bastante o ambiente, a disciplina na escola e a motivação dos educadores.  Em alguns lugares, a rebeldia é comum.

A educadora e escritora americana LouAnne Johnson escreveu:

A prevenção do uso de drogas faz parte do currículo de quase todas as   escolas, começando no jardim-de-infância. As crianças sabem muito mais sobre drogas . . . do que a maioria dos adultos. Os alunos que se sentem desamparados, indesejados, solitários, entediados ou inseguros são os mais fortes candidatos a provar drogas.[1]

Alguns se perguntam: “Como o professor vai lidar com uma criança de nove anos que aprendeu a usar drogas com os pais e agora está viciada? Sabemos muito bem que existe a venda e o consumo de drogas na escola, mas isso raramente é descoberto, isso, associado à Indisciplina se manifesta numa mania de destruição generalizada. Mesas e as paredes sujas, móveis danificados, alguns alunos têm passagem na polícia por furto em lojas, estes são apenas alguns dos problemas. A violência e o uso de drogas na família afetam diretamente as crianças. Elas vivem num ambiente onde aprendem palavrões e outros vícios.” Estas foram palavras que ouvi diretamente de um professor ativo, mas que pediu para não ser identificado.

É necessário providências, senão, infelizmente dentro em breve, até mesmo em localidades menores como Taiobeiras e outras cidades do Alto Rio Pardo, vivenciaremos a realidade existente em grandes centros, como por exemplo , nos Estados Unidos, onde a violência relacionada com armas de fogo é um problema preocupante. Calcula-se que todo dia 135.000 armas sejam levadas às 87.125 escolas públicas do país. Para reduzir o número de armas nas escolas, as autoridades estão usando detectores de metal, câmeras de vídeo e cães com treinamento especial para farejar armas. Instituíram-se também a inspeção de armários de estudantes, o uso de cartões de identificação e a proibição de levar mochilas para a escola. Mais de 6.000 alunos foram expulsos por terem levado armas à escola![2]

É em meio a um ambiente anárquico que muitos professores conscienciosos se esforçam para educar e transmitir valores. Não é de admirar que muitos sofram de depressão e estafa. Quase um terço de um total de um milhão de professores na Alemanha adoecem em decorrência do estresse. Eles ficam estafados e como consequência abandonam a sala de aula.

Segundo um professor taiobeirense “muitos adolescentes só falam de sexo e festinhas. É uma obsessão. Principalmente agora, com a Internet nos computadores das escolas, os alunos têm acesso às redes sociais e à pornografia”.  Um educador comentou: “Foi montado um núcleo de informática em nossa escola. Segundo a diretora, este tem o objetivo de ser usado pelos alunos para fazer pesquisas. No entanto não é isso que vejo, 99% dos alunos que frequentam o núcleo, só vão lá mesmo para mexerem no facebook.”

Outra queixa de alguns professores é que muitos pais se esquivam da responsabilidade de educar seus filhos em casa. Para os professores, os pais devem ser os primeiros educadores das crianças. As boas maneiras devem começar em casa.  Os professores precisam ser tratados como os demais profissionais, não ser relegados ao papel de babás. Os pais muitas vezes não cooperam com a disciplina dada na escola. “Se você manda uma criança mal comportada à diretoria, corre o risco de ser agredido pelos pais!”, reclamam muitos professores.

Uma professora que atua há décadas em São João do Paraíso, MG, expressou o que pensa nas seguintes palavras: “O trabalho do professor não é reconhecido, se for avaliar pela renda. A remuneração sempre foi abaixo do piso salarial. Por causa dos salários baixos, somos obrigados a trabalhar em dois ou três estabelecimentos, correndo de um lugar para outro. Isso sem dúvida prejudica a qualidade de nosso trabalho”.

Assim sendo, o que leva muitos profissionais qualificados a escolher essa profissão? Alguns decidiram seguir essa carreira inspirados no exemplo dos pais. Outros se sentiram atraídos ao magistério por amor às crianças e jovens, ou por se sentir recompensados de vê-los desabrochar e se desenvolver, tornando-se mais capazes, mais competentes e mais atuantes no mundo. Entendem que o professor que dá de si mesmo sem medir esforços acaba beneficiando outros, e em conformidade com as palavras bíblicas de Atos 20:35, são consolados por acreditar que “Há mais alegria em dar do que há em receber.

Quando enfrentamos desafios no nosso trabalho, seja como professor ou em qualquer outra profissão, desistir talvez pareça ser o caminho mais fácil. Assim, que a mensagem proferida pelo profeta Isaias possa encorajá-lo a buscar a dar o seu melhor cada vez mais: “A ti escolhi e nunca te rejeitei. Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça... Porque eu, o Senhor teu Deus, te tomo pela tua mão direita; e te digo: Não temas, eu te ajudo”. (Isaías 41:10, 13)

O trabalho do professor pode ser comparado ao casamento. Quando alguém está noivo, talvez sonhe com as maravilhas e alegrias que terá com a vida de casado. Depois do casamento a pessoa pode se dar conta de que a vida não era exatamente como imaginava.  Problemas e dificuldades virão. Ao surgir as intempéries, deveria a pessoa concluir logo que o caminho é uma separação ou divórcio? Claro que não. Ninguém que constrói uma casa nova e nela vai morar, conclui que deva se mudar dela só porque percebeu que existem algumas goteiras. É preciso paciência e perspicácia para que as coisas possam ser resolvidas baseadas no amor e na sensatez.  Muitas poderão ser as provações. Temos de lembrar que sempre depois de uma tempestade o sol volta a brilhar novamente. Assim, saiba que seu papel como professor é de fundamental importância, pois é imprescindível educar a criança de hoje para que se torne o homem de bem de amanhã. Portanto, Não desistamos de fazer aquilo que é excelente, pois ceifaremos na época devida, se não desfalecermos.” (Gálatas 6:9)


Como comunicar-se com os pais de alunos

· Conheça os pais. Isso não é desperdício de tempo. Trata-se de um investimento de tempo que beneficiará a ambas as partes. É sua oportunidade de estabelecer boas relações com aqueles que poderão vir a ser seus melhores colaboradores.
  
· Fale no mesmo nível dos pais — não tenha um ar de superioridade. Evite usar a linguagem do professorado. 

· Ao falar sobre os jovens, saliente os pontos positivos. Elogios funcionam mais do que críticas. Explique o que os pais podem fazer para ajudar o filho a se sair bem nos estudos

· Permita que os pais se expressem e ouça com atenção o que eles têm a dizer

· Procure compreender o ambiente doméstico da criança. Se possível, visite a casa. 

· Combine um dia para a próxima conversa. O acompanhamento é importante. Mostra que seu interesse é genuíno.

Fonte: GOULART, Carlos Amadeu.  A Educação, desafios e oportunidades. São Paulo: Ática, 2001.


FONTES:

Entrevistas com professores de Taiobeiras e de São do Paraíso, MG

Bíblia Sagrada

BIBLIOGRAFIA

BURTON, Enya Criss. Teacher Today. New York: History Present, 1989.

GADOTTI, Moacir. Crise de identidade, crise de sentido. In  Boniteza de um sonho: Ensinar e aprender com sentido. São Paulo: Gruhas,  2003.

GOULART, Carlos Amadeu.  A Educação, desafios e oportunidades. São Paulo: Ática, 2001.

ROCHA, Anastásia Amador. Profissionais do novo século. Rio de Janeiro: Vida Viva, 1997.

*Professor de Artes, História e Iniciação Musical, regente do Coral Cantarte e Maestro da Orquestra Filarmônica Presidente Tancredo Neves.


[1] BURTON, 1989. p. 86.
[2] BURTON, 1989. p .93

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Nova peça musical será interpretada por alunos da EEPTN

Por Fabiano Alves Pereira*


Acabo de concluir a escrita do meu mais novo texto, um teatro com o título:

A HISTÓRIA BASTIÃO GALINHA E SUA FAMÍLIA - Pessoas simples do Grotão do Judas, que tiveram suas vidas transformadas deixando um grande exemplo para nós!


O enredo conta a história de uma família que por falta de orientação tinha péssimos hábitos alimentares e de higiene e em decorrência disso doenças e mortes prematuras eram comuns. Eles recebem a oportunidade de mudar de vida e aproveitam-na com determinação.

Nas aulas de Artes que ministro na Escola Estadual Presidente Tancredo Neves priorizo os quatro eixos temáticos destacados pelo CBC: Música, Artes visuais, Teatro e Dança.

Na música temos aulas teóricas que ensinam dentre outras coisas, a leitura de partituras musicais, o Projeto Iniciação à Flauta Doce, o Coral Cantarte e a Orquestra Filarmônica Presidente Tancredo Neves.

Na dança, temos o grupo "Dance Teens" formado por alunos do nono ano Elisiana Alves, sala número 1, matutino.

Nas artes plásticas temos aulas de crochê e pintura com as secretárias Rosane e Adivania Pereira Freitas, diversos alunos se destacando no desenho, como o Fabrício do oitavo ano, sala 10 matutino e a aluna Anna Júlia, da sala 2, matutino, que é autora dos desenhos do conto "Vidas Transformadas" publicado no livro "Um Convite à Reflexão". E ainda o Projeto "I Mostra de Artes da EEPTN", que ao final do ano fará exposição biográfica e releitura de obras de pintores renomados de todo o mundo. Os alunos que se destacarem no projeto ganharão curso de pintura ministrado pela artista plástica Elisiana Alves, reconhecida internacionalmente.

Após concluir as aulas expositivas e teóricas sobre o teatro desde o seu surgimento na Grécia Antiga, o próximo passo é formar um grupo de teatro na Escola. Selecionarei dentre os alunos, o elenco que estará à disposição das instituições educacionais e outras entidades do município e região para que por meio da arte de encenar possam contribuir na formação de pessoas ainda mais reflexivas e contribuintes para uma sociedade mais harmônica e saudável. A apresentação teatral da "História de Bastião Galinha", com recursos bem elaborados tais como figurino e efeitos musicais ajudará os expectadores na ampliação dos conhecimentos de temas como: Dengue, Verminose, Hábitos alimentares e Higiene, apresentados de uma forma humorística e em linguagem coloquial.

Veja alguns trechos da peça:

Narrador: Lá pelas bandas do norte mineiro, perto de Taiobeiras, havia uma rocinha bem distante da civilização. Lá não havia ainda luz elétrica nem água encanada. Coisas como Internet e computadores eram desconhecidos para a maioria dos habitantes, que viviam praticamente isolados, pois era uma região de difícil acesso, por lá não haviam estradas, nem asfaltadas nem de terras, apenas carreiros cheios de buracos por onde carros ou motos eram incapazes de transitar. Por todos esses motivos o lugar recebeu o nome de Grotão de Judas, pois os antigos costumavam afirmar que foi lá que Judas perdeu as botas pra nunca mais encontrar. Numa casinha simples, vivia Bastião Galinha e sua família: Dona Quelemença, sua esposa e seus pouquíssimos filhos, apenas seis, pois os outros oito já tinham falecido antes mesmo de completarem um ano de vida. Em homenagem aos parentes mais velhos, os nomes dos ainda vivos eram: Antônio (conhecido por Tonim), Filomena, Miguelina, Gumercino, Ozório e Francisca (conhecida como Chiquinha). Vejam só nesta cena como era o dia a dia do Bastião e sua família...

Agente 2: Não minha senhora, não é de dengo que estamos nos referindo e sim de uma doença chamada dengue que é transmitida pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti. Ela põe os seus ovos em lugares que tem água parada e limpa, como caixas d’água, penus, latas, vasos de planta, cascas de ovos e litros. Por isso devemos tomar cuidado com essas coisas em nossa casa e no nosso quintal...

Bastião: Oh muié eu num intendo, tem pessoas qui tem a leitura, sabi fazer o que é certo mais preferi fazer tudo errado. A genti num podi ser ignorante, tem qui tê humildadi e fazê mudança na vida, miorar cada vez mais. Nóis aprendeu a lição, eu ispero qui todo mundo ao sabê di nossa história possa refretir e intendê qui iscutá é fácil e inté divertido, qualquer um faz isso, mais o vale mesmo a pena, o que é importante, é tirá lição do inxempro dus outro, num ripiti as mesma faia e isforçá para ter uma famia saudável e muito feliz com as bênçãos de Deus agora e para todo o sempre.
_______________________
*Professor de Artes, História e Iniciação Musical, regente do Coral Cantarte e Maestro da Orquestra Filarmônica Presidente Tancredo Neves.

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Destaque em Xadrez

"CRESCER PELO ESPORTE" 
 Escola Tancredo Neves fazendo diferença na Educação!
A E. E. Presidente Tancredo Neves recebeu da Secretaria de Esporte e Juventude, através do Programa Minas Olímpica , materiais para ampliar a participação dos alunos nas aulas de xadrez.
A escola foi contemplada em 2013 com título "Escola Modelo" - "Destaque Xadrez".
Em 2014 estamos investindo em mais modalidades. Já temos um campeão mineiro no atletismo no JEMG/2014 e no período de 03 a 08/09 o aluno campeão Gustavo estará em Londrina/PR participando da etapa nacional.

É de fundamental importância que os professores transmitam aos seus alunos os objetivos de trabalhar com o jogo de xadrez no ambiente escolar.A prática do xadrez desenvolve habilidades tendo como destaque: memória, concentração, planejamento e tomadas de decisões.

O xadrez é considerado como um excelente suporte pedagógico visto que se relaciona com diversas disciplinas, tais como: Matemática; Artes; História; Geografia, além da Ética, etc.
Na Matemática explora-se inicialmente o tabuleiro e a movimentação das peças associadas com a Geometria e suas dimensões.

Nas Artes, exploram-se as formas das peças através do uso da argila, pintura, técnicas com materiais recicláveis.

Na História, pode ser trabalhada a questão da origem do xadrez, a cultura dos seus povos e a relação entre aspectos sociais e políticos.

Na Geografia, pode ser abordada a localização onde o jogo de xadrez era praticado.

E finalizando, quando se faz referência à Ética, seria quanto à importância das regras e o respeito que deve existir para com o parceiro de jogo.

A proposta pedagógica de inserir o jogo de xadrez no processo de ensino-aprendizagem visa preparar o aluno para que seja capaz de tomar decisões em situações que exigem o raciocínio rápido, e em busca de formar cidadãos íntegros através de uma atividade lúdica.


"Parabéns professores de Ed. Física e alunos pelo empenho!!!"

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Dia D



13 de agosto - Dia “D”

Toda Escola deve fazer a diferença

O “Dia D” das Escolas é um momento muito significativo para a melhoria do processo ensino-aprendizagem e, consequentemente, para os avanços dos resultados educacionais de Minas Gerais. Oportuno para as escolas analisarem e discutirem os seus resultados nas avaliações internas e externas do PROALFA e do PROEB e planejarem suas ações de intervenção pedagógica para o ano letivo.

Assim, mais uma vez, contamos com o empenho sempre demonstrado por todos os envolvidos,na nossa escola e toda a comunidade escolar na  realização desse evento. A reorganização do PIP 2013 (ações) foram discutidas e analisadas nos dias do evento, para serem concretizadas nas práticas pedagógicas da escola em favor do sucesso da aprendizagem de nossos alunos.


Toda a Comunidade participando

É um evento de importância significativa por ser o momento em que todas as escolas e toda a Comunidade Escolar se reúnem, para analisar as práticas pedagógicas e o desempenho da instituição e dos alunos nas avaliações externas (PROALFA e PROEB) e internas e, assim, planejar as ações que contribuirão para a melhoria do ensino. Nesse sentido, o maior legado da realização do Dia D é a (re)construção anual do Plano de Intervenção Pedagógica da Escola e, como sabemos, a participação dos pais e responsáveis nessa etapa, apresentando suas sugestões para as ações com foco na aprendizagem dos alunos, é imprescindível para a construção da qualidade social da educação básica. O Regimento Escolar e o Projeto Político Pedagógico das Escolas também devem ser analisados nessa oportunidade, no intuito de averiguar se estão em consonância com o estabelecido na Resolução SEE Nº 2.197, de 26 de outubro de 2012, e no Ofício Circular Nº 360, de 17 de dezembro de 2013, e se necessário serem atualizados. 


 O evento do Dia "D" foi um sucesso, pois presenciamos o compromisso de todos com a aprendizagem de nossos alunos .